Selva

© 2012 365 Clicks. Foto: Rafael Pacheco | Click 13 - Paulicéia Ensolarada

© 2012 365 Clicks. Foto: Rafael Pacheco | Click 13 - Paulicéia Ensolarada

Selva.

Hostil. Gravidade de poder ímpar. Parece inexequível encontrar a saída. Conexão constante de sentimentos nunca análogos.

Não há nexo, mas aqui assento-me. Presidiário voluntário. Bêbado entregue ao torpor da megalópole dominante. Todas as fichas. Ela vence. Sempre.

Talvez.

A cidade não para. A cidade só cresce. Grito vociferado por Chico poeta. Chico cientista. Todos os quem podem dar o mesmo brado retumbante. O grito se perde na imensidão galáctica do concreto. Eco. Surdos estamos.

O verde existe. O verde sobrevive. Mas é murado. É regrado. É coagido. Refém. Mesmo ele. Todos nós. Mesmo sob a relva ainda bela respiramos o gás da morte lenta. Contemos os minutos.

Uma lenda reza que se quer fugir. Metade dos passageiros do trem desgovernado cantam essa música. Sofisma puro. Estamos entregues.

Pausa. Uma trégua ao frenesi. Seja nas asas da águia de ferro ou sobre borracha que se derrete no asfalto quente, busca-se sanidade. Longe daqui. Longe.

Curta duração. De volta ao caos.

Combate-se o sofrimento dissolvendo-se em soluções químicas diversas. O ar ainda é denso mas o corpo relaxa, mesmo com o disparar dos batimentos. O circuito do prazer é ativado. A relação concreto e corpo entorpecido realiza-se. Comunhão maldita. Vício. Partes incontáveis de oxigênio dobrado conjugado com carbono invadem os brônquios. O sangue corre. A boca lambe o álcool. A boca leva mais química aos alvéolos: santa fumaça de índole negra centro-americana. O nariz se calcina com a areia branca. Que existam esses meros momentos de felicidade em meio ao inferno constante da babélica urbe.

Urbanoides. Zumbis. Pixels de uma megabáitica imagem que representa essa anarquia supostamente controlada e sensata.

Assim somos. Isso aceitamos.

O sol se põe. Que venha o amanhã.


(inspirado em “Click 13 – Paulicéia Ensolarada” © 2012 365 Clicks com gentil cessão do fotógrafo Rafael Pacheco)

Share

Geração Rivotril ou Porque hoje sofremos mais

Rápido. Muito rápido. Na maior velocidade possível. Menos que isso e entramos em colapso. A Era da Informação é uma máscara bem fina. Tornamo-nos mesmo a Geração Rivotril na Era dos Depressão. Por quê? Talvez não haja tempo para explicar. Suscintamente: não temos tempo nem para ser felizes e nem para sofrer em paz. A

Share

Folhas secas

Folhas secas Não me sentei. Foi apenas contemplação. A natureza e sua complicada singeleza. Nossa pequenez e sua inventada complicação. Contraste. Somos esse tanto enorme de um monte de nada. Acreditamos que somos tudo. Se acreditamos, somos? E como somos. Cromossomos e só. Escritos fomos desde antes. Aquelas duas meia-células. Cada uma com metade de

Share

A música não muda o mundo

Paulo Freire disse que a educação não muda o mundo. Muda as pessoas que, essas sim, mudam o mundo! Não tenho certeza se posso dizer o mesmo da música; mesmo tendo muita vontade. Especialmente agora que eu, enfim, “procurei saber” e não descobri nada especial; aliás cai num buraco inimaginável de uma decepção irrecuperável, com

Share

Qualquer momento*

0 QUALQUER MOMENTO ANTERIOR AO MOMENTO PRESENTE 1 MOMENTO PRESENTE E APENAS O MOMENTO PRESENTE 2 TODOS OS OBJETOS APARENTEMENTE ÚNICOS DIRETAMENTE LIGADOS A VOCÊ NO 1 3 TODOS OS OBJETOS APARENTEMENTE ÚNICOS DIRETAMENTE LIGADOS A VOCÊ EM 0 QUE VOCÊ CONSIGA LEMBRAR NO 1 QUE SEJAM IDÊNTICOS A 2 4 TODOS OS CRITÉRIOS ATRAVÉS

Share

O amor cada vez mais distante

    

Share

Fantasia

Alegoria, fábula, mito, ilusão, quimera, utopia, devaneio, sonho, idealismo… O quanto da sua realidade é real? No sentido mais estrito da palavra? Nada, por seguro. Pode procurar suas ligações com o real, com o palpável, com o concreto, com o verdadeiro, o efetivo, o legítimo… Idealismo e legitimidade. Eis um curioso encontro. Quero acreditar no

Share

Todo amor me destrói

Todo amor me destrói Todo amor é espetacular. Atropela-se e se atropela tudo. Tudo. Todos.Todo amor peca por excesso, mas não há o que fazer se é um sentimento que é em si e por si mesmo inteiro, completo, absoluto. Não deveria existir. Ele exige o mais de quem ousa advogar em seu nome. De

Share

Ligando os pontos

Lembro dos autores românticos e seus personagens que amavam mas não eram correspondidos. Penso nesses pontos que vão se ligando por aí e frenética e descontroladamente se atando e desatando às mais diversas teias. De repente, dois pontos se conectam, mas cada ponto traz a sua própria teia repleta de outros pontos interconectados. Escolhe-se o

Share

Novos tempos sem você

Tanto tempo! E ao mesmo tempo tão pouco tempo. Foram anos de mudanças, de rompimentos, de viagens, de turbulências, de amores e desamores, de partos e repartires, de uma intensidade desafiadora. Sobrevivemos juntos. Agora você se foi. Entre cumplicidade e ausências, algum descaso e muito carinho, você sempre esteve lá, meu caro ser iluminador do

Share