O supremo poder “dos iguais”

Em 1846: “O sistema de impunidade é também promotor dos crimes.” – Marquês de Maricá


1967: “Na ditadura, à sombra de Marco Aurélio, pululam e ficam impunes os Calígulas sanguinários, os Torquemadas da Inquisição e da intolerância, os enxundiosos Faruks da corrupção.” – Ulysses Guimarães


2013: Tanto faz; hoje é atemporal. Somos bichos. Em 1957, na Revolução dos Bichos, George Orwell disse: “Todos os animais são iguais mas alguns animais são mais iguais que os outros”. Confirmamos hoje, no Brasil, a desigualdade dos iguais.


Como apontou Tácito, ainda no começo da era cristã: “Quão mais corrupto for o país, mais haverá leis”.


E assim os perdemos; agora só nos resta torcer por sua morte. Que a doença abata os tumores humanos que nossas mãos não puderam sequer privar de nosso convívio (e os cegos do castelo que os permitiram permanecer livres).

Share

Comentários no Facebook

comentários no Facebook

3 Comentários

  • miriam marreiro malina escreveu:

    …justiça, verdade, honra!!!!!

  • maria helena de souza escreveu:

    Se o Homem for produto social conforme o pensamento de Rousseau onde anda os homens bons no nosso pais? Não conformo com tanta levianidade,desumanidade,desigualdade em que são submetidos nosso povo.

  • Francisco Varela Barca escreveu:

    Que bom que aprendi a ler e a decernir sem maniqueísmos, distante do bem e do mal, condenando com argumentos e absolvendo ou não pelas defesas, não há justiça em não ouvir as defesas..Acredito, mas quem não acredita, que todos os que foram indiciados, e mais alguns que conseguiram escapar da possibilidade do soco, são sim culpados, ou até ainda mais culpados, agora o que se argumenta aqui,ali, acolá, e que as pessoas devem saber, para que não prevaleçam as suposições, dignas que são dos santos inquéritos, sobre o direito não canônico, e sobretudo que as provas sejam prerrogativa dos que investigam, e a luz do direito que só sejam condenados aqueles para os quais sejam sem sombra alguma de dúvidas, comprovadas as suas culpas. Condenemos então os que acusam levianamente. Será justo?

Deixe uma resposta

Seu email nunca é divulgado.Campos obrigatórios são marcados *